Modal Rodoviário

Início >> Conteúdo >> Modal Rodoviário

Modal Rodoviário

Modal Rodoviário

INFRAESTRUTURA EM TRANSPORTE E MOBILIDADE INTERMUNICIPAL

Com o objetivo de promover a integração física das diversas regiões do Pará e melhorar a circulação de bens e pessoas, o Governo do Estado vem realizando um conjunto de obras abrangendo os diversos modais de transporte, inclusive de mobilidade urbana. Essas ações foram intensificadas, principalmente, a partir de 2012.

 

MODAL RODOVIÁRIO

            O Pará possui, aproximadamente, 11.754km de rodovias, sendo 57% estaduais (6.718 km) e 43% federais (5.036 km). Os investimentos realizados no quadriênio 2011/2014, no montante aproximado de R$1,5 bilhão, permitiram a intervenção em 1.881,23 km, equivalente a 28% da malha rodoviária estadual, incluindo a construção de 2.798 m de pontes em concreto, e a implantação/recuperação de pontes de madeira.

Vale ressaltar o acréscimo de 552,61 km na categoria de rodovias pavimentadas, que passam a totalizar 3.506 km, superando, pela primeira vez, a extensão de rodovias não pavimentadas (3.212 km) no quadro geral da malha federal.

Igualmente importante, foram os investimentos em pontes de concreto armado que, no quadriênio 2011/2014, mobilizaram recursos no valor de, aproximadamente, R$ 222,8 milhões, resultando em 2.798 m de pontes construídas. Nesse contexto, foram concluídas 33 (trinta e três) pontes de concreto armado, com destaque para a ponte sobre o Rio Capim com 560 metros, ligando os municípios de Concórdia e Aurora do Pará a Mãe do Rio, e aquelas pontes localizadas sobre os Furos da Ostra, Estiva, Chato e Café no Município de Bragança, totalizando 278,00 metros, em substituição às antigas pontes de madeira, na PA-458, melhorando consideravelmente o acesso à praia de Ajuruteua. Em andamento, destacam-se as pontes sobre os rios Igarapé-Miri e Curuá, com extensão, respectivamente, de 560,88 m e 360 metros, de grande importância para os municípios de Igarapé-Miri e Alenquer, e areconstrução de parte da ponte Mojú Cidade no Município de Mojú.

Ressalte-se também a implantação de equipamentos (dispositivos Fixo e Móvel - Balanças) para controlar o excesso de peso dos veículos de cargas nas rodovias estaduais, iniciada em 2013,  com previsão de controle de carga até 2018, nas rodovias PA-150, Alça Viária, Perna Sul e PA-287, uns dos principais eixos de escoamento de produção e circulação de mercadorias no Estado. Com essa medida, objetiva-se a preservação das rodovias de desgastes prematuros da pavimentação, além de contribuir para a redução da perda de arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) das cargas em excesso, que transitam por esses eixos viários, e proporcionar mais segurança nas estradas paraenses.

As intervenções em rodovias abrangeram as diversas regiões do Estado, merecendo destaque as seguintes: areconstrução da Alça Viária e de toda a PA-150, com acostamento, e a pavimentação da Perna Sul, principais eixos de ligação entre a capital e o sul/ sudeste do estado; o asfaltamento da PA-255, de Monte Alegre a Santana do Tapará, em Santarém, levando pela primeira vez o asfalto a uma rodovia da margem esquerda do Amazonas; a reconstrução da estrada que liga Eldorado dos Carajás, Curionópolis e Parauapebas; a reconstrução e conclusão da PA-279, que liga Xinguara a São Félix do Xingú; a pavimentação da Rota Turística Belém-Bragança (PA-308 e PA-242) exaltando Cidades centenárias e cenários de beleza histórica ao longo de seu trajeto; a recuperação da rodovia PA-287, no trecho entre Redenção e Conceição do Araguaia; a implantação da rodovia da vicinal do Bambú, fundamental para o escoamento da maior produção de abacaxi da região norte do Brasil, facilitando, também, o acesso ao município de Floresta do Araguaia, interligando todo o sudeste paraense.

Os investimentos realizados contribuíram para que a Confederação Nacional dos Transportes (CNT), em recente levantamento realizado, registrasse uma melhoria significativa nas condições das rodovias no Estado, com o índice de estradas avaliadas como “boas” e “ótimas”, elevando-se de  0,4%, em 2011, para mais de 10%.

Merece menção, também, pesquisa realizada pela revista britânica “Financial Times Magazine”, em abril/2014, que apontou o estado do Pará como o sexto melhor estado na América do Sul na categoria infraestrutura e o quarto melhor do Brasil como Estado do Futuro na perspectiva 2014-2015.A pesquisa avaliou a infraestrutura paraense, os incentivos e a capacidade das cidades e regiões de atrair futuros investimentos. 


Publicado em: 23/12/2016 - 09:21:47